terça-feira, 12 de abril de 2011

Biografia dos autores 3

                 The Russell-Einstein Manifesto
                   Issued in London, 9 July 1955

 IN the tragic situation which confronts humanity, we feel that scientists should assemble in conference to appraise the perils that have arisen as a result of the development of weapons of mass destruction, and to discuss a resolution in the spirit of the appended draft.
We are speaking on this occasion, not as members of this or that nation, continent, or creed, but as human beings, members of the species Man, whose continued existence is in doubt. The world is full of conflicts; and, overshadowing all minor conflicts, the titanic struggle between Communism and anti-Communism.
Almost everybody who is politically conscious has strong feelings about one or more of these issues; but we want you, if you can, to set aside such feelings and consider yourselves only as members of a biological species which has had a remarkable history, and whose disappearance none of us can desire.
We shall try to say no single word which should appeal to one group rather than to another. All, equally, are in peril, and, if the peril is understood, there is hope that they may collectively avert it.
We have to learn to think in a new way. We have to learn to ask ourselves, not what steps can be taken to give military victory to whatever group we prefer, for there no longer are such steps; the question we have to ask ourselves is: what steps can be taken to prevent a military contest of which the issue must be disastrous to all parties?
The general public, and even many men in positions of authority, have not realized what would be involved in a war with nuclear bombs. The general public still thinks in terms of the obliteration of cities. It is understood that the new bombs are more powerful than the old, and that, while one A-bomb could obliterate Hiroshima, one H-bomb could obliterate the largest cities, such as London, New York, and Moscow.
No doubt in an H-bomb war great cities would be obliterated. But this is one of the minor disasters that would have to be faced. If everybody in London, New York, and Moscow were exterminated, the world might, in the course of a few centuries, recover from the blow. But we now know, especially since the Bikini test, that nuclear bombs can gradually spread destruction over a very much wider area than had been supposed.
It is stated on very good authority that a bomb can now be manufactured which will be 2,500 times as powerful as that which destroyed Hiroshima. Such a bomb, if exploded near the ground or under water, sends radio-active particles into the upper air. They sink gradually and reach the surface of the earth in the form of a deadly dust or rain. It was this dust which infected the Japanese fishermen and their catch of fish. No one knows how widely such lethal radio-active particles might be diffused, but the best authorities are unanimous in saying that a war with H-bombs might possibly put an end to the human race. It is feared that if many H-bombs are used there will be universal death, sudden only for a minority, but for the majority a slow torture of disease and disintegration.
Many warnings have been uttered by eminent men of science and by authorities in military strategy. None of them will say that the worst results are certain. What they do say is that these results are possible, and no one can be sure that they will not be realized. We have not yet found that the views of experts on this question depend in any degree upon their politics or prejudices. They depend only, so far as our researches have revealed, upon the extent of the particular expert's knowledge. We have found that the men who know most are the most gloomy.
Here, then, is the problem which we present to you, stark and dreadful and inescapable: Shall we put an end to the human race; or shall mankind renounce war? People will not face this alternative because it is so difficult to abolish war.
The abolition of war will demand distasteful limitations of national sovereignty. But what perhaps impedes understanding of the situation more than anything else is that the term "mankind" feels vague and abstract. People scarcely realize in imagination that the danger is to themselves and their children and their grandchildren, and not only to a dimly apprehended humanity. They can scarcely bring themselves to grasp that they, individually, and those whom they love are in imminent danger of perishing agonizingly. And so they hope that perhaps war may be allowed to continue provided modern weapons are prohibited.
This hope is illusory. Whatever agreements not to use H-bombs had been reached in time of peace, they would no longer be considered binding in time of war, and both sides would set to work to manufacture H-bombs as soon as war broke out, for, if one side manufactured the bombs and the other did not, the side that manufactured them would inevitably be victorious.
Although an agreement to renounce nuclear weapons as part of a general reduction of armaments would not afford an ultimate solution, it would serve certain important purposes. First, any agreement between East and West is to the good in so far as it tends to diminish tension. Second, the abolition of thermo-nuclear weapons, if each side believed that the other had carried it out sincerely, would lessen the fear of a sudden attack in the style of Pearl Harbour, which at present keeps both sides in a state of nervous apprehension. We should, therefore, welcome such an agreement though only as a first step.
Most of us are not neutral in feeling, but, as human beings, we have to remember that, if the issues between East and West are to be decided in any manner that can give any possible satisfaction to anybody, whether Communist or anti-Communist, whether Asian or European or American, whether White or Black, then these issues must not be decided by war. We should wish this to be understood, both in the East and in the West.
There lies before us, if we choose, continual progress in happiness, knowledge, and wisdom. Shall we, instead, choose death, because we cannot forget our quarrels? We appeal as human beings to human beings: Remember your humanity, and forget the rest. If you can do so, the way lies open to a new Paradise; if you cannot, there lies before you the risk of universal death.

Resolution:
WE invite this Congress, and through it the scientists of the world and the general public, to subscribe to the following resolution:
"In view of the fact that in any future world war nuclear weapons will certainly be employed, and that such weapons threaten the continued existence of mankind, we urge the governments of the world to realize, and to acknowledge publicly, that their purpose cannot be furthered by a world war, and we urge them, consequently, to find peaceful means for the settlement of all matters of dispute between them."
 
Max Born
Percy W. Bridgman
Albert Einstein
Leopold Infeld
Frederic Joliot-Curie
Herman J. Muller
Linus Pauling
Cecil F. Powell
Joseph Rotblat
Bertrand Russell
Hideki Yukawa

O Manifesto Russell-Einstein é um texto redigido por Bertrand Russell e apoiado por Albert Einstein, assinado em Londres a 9 de Julho de 1955. No decorrer da Guerra Fria, os signatários alertavam para os perigos da proliferação de armamento nuclear e solicitavam para que os líderes mundiais buscassem soluções pacíficas para os conflitos internacionais. Foi subscrito por onze cientistas e intelectuais de primeira linha, o mais notável de eles Albert Einstein, uns dias antes da sua morte, a 18 de Abril de 1955. Uns dias depois de ser divulgado, o filántropo Cyrus Eaton ofereceu-se para organizar uma conferência em Pugwash, Nova Escócia (Canadá), o lugar de nascimento de Eaton. Seria a primeira de ditas conferências, que se têm celebrado cada ano desde 1957.
               Barry Commoner


Barry Commoner (Nova York, 28 de Maio de 1917) é um biólogo, professor universitário e ecossocialista norte-americano. Candidatou-se às eleições para Presidente dos Estados Unidos da América, nas eleições de 1980, pelo Citizens Party.
Commoner nasceu em Brooklyn. Bacharelou-se pela Universidade de Columbia em 1937 e tirou o mestrado e doutoramento pela Universidade de Harvard, em 1938 e 1941 respectivamente. Após ter servido como tenente na Marinha dos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, Commoner mudou-se para St. Louis, tornando-se professor de fisiologia vegetal na Universidade de Washington, onde trabalhou durante 34 anos.

Obras

  • Science and Survival. New York : Viking, 1966.
  • The Closing Circle: Nature, Man, and Technology. New York : Knopf, 1971.
  • The Poverty of Power: Energy and the Economic Crisis. New York : Random House, 1976.
  • The Politics of Energy. New York : Knopf, 1979.
  • Making Peace with the Planet. New York : Pantheon, 1990.

Referências

  • Contemporary Authors. Detroit : Gale, 2000.
  • Who's Who in America. Chicago : Marquis, 2004.
·         Barry Commoner was born in Brooklyn, New York, on May 28, 1917. As a boy he lived the rugged life of the city streets, but on weekends he prowled Brooklyn's Prospect Park looking for microscope specimens. Educated at James Madison High School, which fostered his interest in biology, he put himself through Columbia University by doing odd jobs and got his bachelor's degree with honors in 1937. Earning master's and doctoral degrees at Harvard (1938, 1941), he began his teaching career as a biology instructor at Queens College (1940-1942). Serving in the Navy in World War II, he took part in spraying Pacific islands against insect-borne diseases with the new wonder chemical DDT, unaware as yet that indiscriminate use of such toxins was an invitation to environmental disaster.
·         Married after the war to Gloria Gordon, a psychologist, Commoner served as associate editor of Science Illustrated before joining the faculty of Washington University in St. Louis, first as associate professor of plant physiology, later as chairman of the Botany Department, and finally as university professor of environmental science (1976-1981). It was here that he began the Center for the Biology of Natural Systems (CBNS). Although he published numerous professional research papers, he rejected the conventional view that what non-scientists do with scientific knowledge is none of the scientists' business. He became a social activist and vocal public educator.
·         What brought him out of the laboratory in 1953, Commoner declared afterward, was strontium-90, one of the radioisotopes contained in the fallout from nuclear tests in the atmosphere. His Committee for Nuclear Information set parents all over St. Louis to collecting their offspring's baby teeth for testing, and found out that in addition to the normal element calcium, those teeth contained also ominous proportions of strontium-90, which behaves physically and chemically much like calcium and can combine in building bones and teeth in much the same way, except that strontium-90 is highly radioactive.
·         In the first sentence of a book published in 1966, Science and Survival, Barry Commoner announced that "the age of innocent faith in science and technology may be over." A massive electric power failure all over the Northeast, the admission of children to a St. Louis hospital 15 years after they had been exposed to radio-iodine from Nevada nuclear bomb tests, the disturbing news about DDT, and the potential menace of recombinant DNA—not to mention the threat of "nuclear winter" in the event of
thermonuclear war, a prospect Commoner discussed years before most Americans even heard of it—led him to the conclusion that science, like the magic practiced by the legendary Sorcerer's Apprentice, was getting out of control. Therefore, scientists could no longer simply remain at their work; they had to go out and alert the nonscientists to the problems that their work was creating. "Science can reveal the depth of this crisis," the book concluded, "but only social action can resolve it."
·         By 1970 Time magazine was calling Barry Commoner "the Paul Revere of Ecology." It said that Commoner was "endowed with a rare combination of political savvy, scientific soundness and the ability or excite people with his ideas." Commoner was not trained professionally as an ecologist. He came to it in reaction against the dismemberment of modern science by over-specialization, such that its practitioners could not see the forest for their own narrow trees. Scientists as well as laypeople, he believed, had to be educated to the fact that in nature "everything is connected to everything else," which is the primary message of ecology. From the 1950s Commoner played a leading role in every aspect and important phase of the environmental movement. He stated his opposition to nuclear weapons testing in the 1950s, was part of the science information movement of the 1960s, joined the energy debates of the 1970s and the organic farming/pesticides, waste management/recycling, and toxic chemicals issues of the 1980s and 1990s.
·         Commoner's best-known book, The Closing Circle (1971), concluded that "human beings have broken out of the circle of life, driven not by biological need, but by the social organization which they have devised to 'conquer' nature. … We must learn how to restore to nature the wealth that we borrow from it." The political lesson to be learned from Los Angeles smog, from fertilizer-poisoned water supplies in Illinois, from algal bloom in Lake Erie, and from detergent foam everywhere was that the older forms of both capitalism and socialism, with their emphases respectively on profit and productivity, were quite inadequate to cope with a deteriorating planet. At the same time Commoner did not want to sit back and contemplate nature fatalistically, or, as he called it, "inactivism."
·         In the 1970s, as Congress passed laws for clean air, pure water, and the protection of the environment, Barry Commoner's warnings seemed to be generating serious political and legal action because, as Time warned in its cover story on Commoner (February 2, 1970), "the price of pollution could be the death of man." Gradually, however, Commoner came to believe that much of the politicians' concern with the environment and with energy conservation was sham. He was particularly disappointed in President Jimmy Carter's national energy policy, which Commoner said was "not designed to solve the energy crisis … but merely to delay it."
·         In The Politics of Energy (1979) Commoner called for "a national policy for the transition from the present, non-renewable energy system to a renewable one"—a transition which he believed a traditional free market economy would be unable to accomplish. He wanted Americans to use solar rather than conventional power, trains rather than automobiles, and methane or gasohol rather than gasoline—proposals which ran not only up against powerful vested interests but also against come basic American habits and preferences. This theme of the evils of an increased dependence on technology remained a theme for the rest of Commoner's career appearing again in 1995 in his book Making Peace with the Planet.
·         Since none of the presidential candidates of 1980 seemed to be dealing with environmental issues in the most superficial way, Barry Commoner ran for president on a ticket of his own, the Citizens Party. It polled only a quarter of one percent of the vote.
·         Commoner returned to Queens College in 1981 as professor of earth and environmental sciences, serving also as visiting professor of community health at the Albert Einstein College of Medicine. He also moved his Center for the Biology of Natural Sciences to Queens as well. The research conducted at Queens continued to make major advances in environmental science. He discovered the origin of dioxin in trash-burning incinerators, developed alternatives to incinerators and the economic benefits to communities of recycling their trash and developed a computer model that tracks the long-range transport of dioxin and other pollutants from their sources through the food chain into the human diet. This model became invaluable to evaluating dioxin contamination of milk on Wisconsin and Vermont dairy farms.
·         The 1980s saw a slight diminution of Commoner's influence as capitalist sway was on the rise and environmental concerns fell by the wayside. With the advent of the 1990s, however, increased interests in the environment returned Commoner and his theories to the forefront. In 1995, he was one of the featured speakers at the Dartmouth College Earth Day Conference, commemorating the 25th anniversary of Earth Day. There he called for the government to include in its "industrial policy" a promotion of organic farming and the improvement of electric motors as a clean energy source. He encouraged the development of a preventive strategy that encourages production without polluting in the first place.
·         The Earth Times (October 21, 1995) cited Commoner as one of the "100 Who Made A Difference" world-wide and called him "the dean of the environmental movement, who has influenced two generations." In May 1997, on the occasion of his 80th birthday and to commemorate his 50 year career in environmental research and activism, a symposium was sponsored by CBNS, entitled "Science and Social Action: Barry Commoner's Contribution to the Environmental Movement." The purpose of this event was to both honor Commoner's career of outspoken activism, even before it was fashionable, and to create a momentum for a strong future environmental movement.
·         In a directory of scientists published in 1984 Barry Commoner listed among his special concerns "alterations in the environment in relation to modern technology" and "the origins and significance of the environmental and energy crises"—realities which would not go away just because people for the moment chose to ignore them.
·         Barry Commoner, together with other outstanding figures in the modern environmental movement such as Lewis Mumford, Rene Dubos, F. Fraser Darling, and Paul Ehrlich, is discussed in an informative account by Anne Chisholm, Philosophers of the Earth (1972). He made the cover of Time (February 2, 1970) in conjunction with an in-depth essay on the ecological issues he helped to publicize. Several of Commoner's own books are written for lay people in non-technical language, including Science and Survival (1966), The Closing Circle (1971), and The Politics of Energy (1979) Making Peace with the Planet (1990). Newsweek took note of his presidential campaign in an article titled "Dr. Ecology for President" (April 21, 1980).
 
          Edward Teller


Edward Teller (Budapeste, 15 de Janeiro de 1908Stanford (Califórnia), 9 de Setembro de 2003) foi um físico nuclear estadunidense de origem húngara, popularmente conhecido como "O pai da Bomba H".

Biografia

Edward Teller nasceu em 15 de Janeiro de 1908, na cidade de Budapeste, na Hungria, no seio de uma família judaica, tendo recebido o nome de batismo Teller Ede. Estudou em Budapeste no Instituto de Tecnologia antes de se mudar para a Alemanha, onde obteve um doutoramento em Física Teórica na Universidade de Leipzig. Em 1935, dois anos após a chegada de Adolf Hitler ao poder, emigrou para os Estados Unidos e obteve um lugar de professor na Universidade George Washington, em Washington, DC. Tornou-se cidadão norte americano em 1941 e em 1942 juntou-se à equipa de Enrico Fermi que trabalhava em experiências de física nuclear relacionadas com a reacção em cadeia na Universidade de Chicago.
Esteve entre os primeiros cientistas a serem recrutados para o chamado Projecto Manhattan, no Laboratório Nacional de Los Alamos, onde trabalhou até regressar à Universidade de Chicago em 1946. Voltou a Los Alamos em 1950 mas não foi escolhido para dirigir o programa de teste da bomba de hidrogénio, ou Bomba H, estabelecido pelo Presidente Harry Truman. Assim, abandonou o projecto em 1952 para se tornar co-fundador e director de um novo e rival laboratório de pesquisa de armas nucleares designado Laboratório Nacional Lawrence Livermore, em Berkeley, Califórnia.
Sendo um anticomunista feroz, Teller testemunhou contra J. Robert Oppenheimer em 1954, seu antigo colega em Los Alamos, durante a chamada "caça às bruxas" movida pelo senador Joseph MacCarthy. Este posicionamento levou-o a ser ostracizado pela maioria da comunidade científica mas, no entanto, Teller continuou a contar com apoio dos aparelhos políticos e militares dos Estados Unidos. Lutou incessantemente para manter os Estados Unidos na liderança da corrida armamentista durante a Guerra Fria, apelando ao desenvolvimento de avançado armamento termonuclear e á manutenção de testes nucleares. Na década de 80 do Século XX, Teller tornou-se o grande impulsionador do Programa de Defesa Estratégica, mais conhecido por "Guerra das Estrelas", defendido pelo Presidente Ronald Reagan. Este programa previa o desenvolvimento do uso de raios laser abastecidos por bombas de fissão com o objectivo de destruir mísseis nucleares soviéticos. Foi também sua ideia o projecto de criação de um porto artificial no Alasca, usando explosivos termonucleares.
Ao longo da sua vida, Teller era conhecido pelo seu brilhantismo científico mas possuindo enormes dificuldades nas relações interpessoais. A sua intensa apologia do uso de armas nucleares levou-o a ser considerado como um dos cientistas que se encaixa plenamente no estereótipo do cientista louco, sendo que o seu sotaque e as sobrancelhas cerradas que possuía aumentavam o efeito. É também da opinião popular que o personagem do Dr. Strangelove, no filme satírico que Stanley Kubrick realizou em 1964 intitulado Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb, teria sido inspirado em Teller. Em 1991 foi premiado com o primeiro Prémio IgNobel da Paz em reconhecimento pelos seus "esforços de uma vida inteira para alterar o significado da paz tal como a conhecemos".
Entre outras horarias, recebeu o Prémio Albert Einstein, o Prémio Enrico Fermi e a Medalha Nacional da Ciência. Era membro da American Academy of Arts and Sciences (Academia Americana de Artes e Ciências), da American Association for the Advancement of Science (Associação Americana para o Desenvolvimento da Ciência), e da American Nuclear Society (Sociedade Nuclear Americana). Foi também nomeado como parte do grupo dos Cientistas dos Estados Unidos a serem escolhidos para Pessoa do Ano da revista americana Time. Menos de dois meses antes do seu falecimento foi agraciado com a Medalha Presidencial da Liberdade, pelo Presidente George W. Bush.
Apesar de ter saído da Hungria há várias décadas, Teller nunca esqueceu a sua herança cultural nem a sua língua. Após a queda do comunismo, ele visitou várias vezes o seu país natal e acompanhou com atenção as mudanças políticas ali em andamento.

Ligações externas

                            Gautam Radhakrishna Desiraju

Gautam Radhakrishna Desiraju (Telugu: గౌతం రాధాకృష్ణ దేశిరాజు) (born August 21, 1952) is an Indian chemist who works in the Solid State and Structural Chemistry Unit of the Indian Institute of Science, Bangalore. Till recently he was in the School of Chemistry, University of Hyderabad. He works in the area of supramolecular chemistry and crystal engineering. Desiraju has played a major role in the development of crystal engineering over the last two decades. He, among others, has also been responsible in recent times for the acceptance of the theme of weak hydrogen bonding in structural and supramolecular chemistry. His books on crystal engineering (1989)[1] and on the weak hydrogen bond in structural chemistry and biology (1999)[2] are especially notable. He is one of the most highly cited Indian chemists and has been recognised by a number of awards such as the Alexander von Humboldt Forschungspreis and the TWAS award in Chemistry. [1]

Biography

Gautam Desiraju was born 21 August 1952 in Chennai, India, formerly Madras. Desiraju obtained his B.Sc. (1972) from St. Xavier's College, Bombay and Ph.D. (1976) from University of Illinois at Urbana-Champaign where he worked under the supervision of David Y. Curtin and Iain C. Paul. He worked between 1976 and 1978 in the Research Laboratories of Eastman Kodak Company in Rochester, NY. From 1978 to 1979 he was a research fellow in the Indian Institute of Science, Bangalore. He joined the University of Hyderabad in 1979 as a lecturer and was promoted as reader in 1984 and professor in 1990. He spent a year (1988–1989) in the CR&D department of DuPont in Wilmington as a visiting scientist. He is a member of the editorial advisory board of Angewandte Chemie. He has been closely associated with the two journals devoted to the subject of crystal engineering, namely Crystal Growth and Design and CrystEngComm since their inception. He is a member of the executive committee of the International Union of Crystallography[2] and was a co-editor of Acta Crystallographica between 1994 and 2008. He served as a member of the council of the Indian National Science Academy between 2005 and 2008. He was the chair of the first Gordon Research Conference in Crystal Engineering, which was held in Waterville Valley, New Hampshire in 2010.

 Major research contributions

Desiraju's major contribution to the subject of crystal engineering has been the development of the concept of the supramolecular synthon, which is a small sub-structural unit that is an adequate enough representation of the entire crystal structure of a molecular solid. The major problem in crystal engineering is that the prediction of a crystal structure from a molecular structure is very difficult, and not easily derivable from functional groups. Identification of supramolecular synthons simplifies this otherwise intractable problem so that some progress may be made in the design of a particular crystal structure. His review on this subject in Angewandte Chemie in 1995[3] now has more than 2000 citations and is a major landmark in the area. The supramolecular synthon concept is now widely used by crystal engineers notably in the design of pharmaceutical co-crystals, which are important from scientific and commercial viewpoints. Crystal engineering is effectively like supramolecular synthesis in the solid state, and there is a direct analogy between the supramolecular synthon of Desiraju and the molecular synthon that was proposed for organic synthesis by E. J. Corey.
Desiraju's second major contribution has been to recognise that weakly activated groups like the C-H group can act as donors of hydrogen bonds in molecular and biomolecular systems. These weak hydrogen bonds had been discussed sporadically since the 1930s, but it was only after the 1980s that the idea of a weakly activated group forming hydrogen bonds gained acceptance in the chemical community. Desiraju was among the few structural chemists (some others include Leslie Leiserowitz and Thomas Steiner) who argued in those early days that the C-H...O and other weak interactions have a hydrogen bond character.
Desiraju has authored more than 325 publications, and in addition to the two books on crystal engineering and hydrogen bonding mentioned above, he has edited three multi-author books on these topics in structural chemistry. He has guided the Ph. D work of more than 30 students over the past 30 years.

General writing

Desiraju has authored several commentaries on science, the evolution of chemistry as a subject,[4] emergence and complexity, and research habits and practices in various cultures. More recently he has written articles about the state of science education and research in India,[3] where he has identified problems and suggested solutions in situations that are, in part, expected in a country that is rooted in the traditional but yet aspires for the contemporary.

ISI Ratings

Each of his two authored books has more than 1500 cites each. His 1995 review in Angewandte Chemie has been cited more than 2000 times. Five of his >300 publications have been cited 500 or more times, 12 over 200 and 27 over 100. He has an h-index of 55 and this makes him one of the most highly cited scientists in India.

References and notes

  1. ^ Desiraju, G. R.: "Crystal Engineering. The Design of Organic Solids", Elsevier, 1989.
  2. ^ Desiraju, G. R. and Steiner, T.: "The Weak Hydrogen Bond in Structural Chemistry and Biology", Oxford University Press, 1999.
  3. ^ Desiraju, G. R.: "Supramolecular Synthons in Crystal Engineering. A New Organic Synthesis", Angewandte Chemie Int. Ed. Engl., 1995, 34, 2311.
  4. ^ Desiraju, G. R.: "Chemistry. The Middle Kingdom", Current Science, 2005, 88, 374.

Research Keywords

External links

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/4a/Commons-logo.svg/30px-Commons-logo.svg.png
Wikimedia Commons has media related to: Gautam Radhakrishna Desiraju
               Robert S. Mulliken

Born
Died
October 31, 1986 (aged 90)
Arlington, Virginia
Nationality
Fields
Known for
Notable awards
Robert Sanderson Mulliken (June 7, 1896 – October 31, 1986) was an American physicist and chemist, primarily responsible for the early development of molecular orbital theory, i.e. the elaboration of the molecular orbital method of computing the structure of molecules. Dr. Mulliken received the Nobel Prize for chemistry in 1966. He received the Priestley Medal in 1983.

Early years

Mulliken was born in Newburyport, Massachusetts. His father, Samuel Parsons Mulliken, was a professor of organic chemistry at the Massachusetts Institute of Technology. As a child, Robert Mulliken learned the name and botanical classification of plants and, in general, had an excellent, but selective, memory. For example, he learned German well enough to skip the course in scientific German in college, but could not remember the name of his high school German teacher. He also made the acquaintance, while still a child, of the physical chemist Arthur Amos Noyes.
Mulliken helped with some of the editorial work when his father wrote his four-volume text on organic compound identification, and thus became an expert on organic chemical nomenclature.

Education

In high school in Newburyport, Mulliken followed a scientific curriculum. He graduated in 1913 and succeeded in getting a scholarship to MIT which had earlier been won by his father. Like his father, he majored in chemistry. Already as an undergraduate, he did his first publishable research: on the synthesis of organic chlorides. Because he was unsure of his future direction, he included some chemical engineering courses in his curriculum and spent a summer touring chemical plants in Massachusetts and Maine. He received his B. S. degree in chemistry from MIT in 1917.

Early career

At this time, the United States had just entered World War I, and Mulliken took a position at American University in Washington, D.C., making poison gas under James B. Conant. After nine months, he was drafted into the Army's Chemical Warfare Service, but continued on the same task. His laboratory techniques left much to be desired, and he was out of service for months with burns. Later he got a bad case of influenza, and was still in the hospital at war's end.
After the war, he took a job investigating the effects of zinc oxide and carbon black on rubber, but quickly decided that this was not the kind of chemistry he wanted to pursue. So in 1919 he entered the Ph.D. program at the University of Chicago.

Graduate and early postdoctoral education

He got his doctorate in 1921 based on research into the separation of isotopes of mercury by evaporation, and continued in his isotope separation by this method. While at Chicago, he took a course under the Nobel Prize-winning physicist Robert A. Millikan, which exposed him to the old quantum theory. He also became interested in strange molecules after exposure to work by Hermann I. Schlesinger on diborane.

At Chicago, he had received a grant from the National Research Council (NRC) which had paid for much of his work on isotope separation. The NRC grant was extended in 1923 for two years so he could study isotope effects on band spectra of such diatomic molecules as boron nitride (BN) (comparing molecules with B10 and B11). He went to Harvard University to learn spectrographic technique from Frederick A. Saunders and quantum theory from E. C. Kemble. At the time, he was able to associate with many future luminaries, including J. Robert Oppenheimer, John H. Van Vleck, and Harold C. Urey. He also met John C. Slater, who had worked with Niels Bohr.
In 1925 and 1927, Mulliken traveled to Europe, working with outstanding spectroscopists and quantum theorists such as Erwin Schrödinger, Paul A. M. Dirac, Werner Heisenberg, Louis de Broglie, Max Born, and Walther Bothe (all of whom eventually received Nobel Prizes) and Friedrich Hund, who was at the time Born's assistant. They all, as well as Wolfgang Pauli, were developing the new quantum mechanics that would eventually supersede the old quantum theory. Mulliken was particularly influenced by Hund, who had been working on quantum interpretation of band spectra of diatomic molecules, the same spectra which Mulliken had investigated at Harvard. In 1927 Mulliken worked with Hund and as a result developed his molecular orbital theory, in which electrons are assigned to states that extend over an entire molecule. In consequence, molecular orbital theory was also referred to as the Hund-Mulliken theory.

Early scientific career

From 1926 to 1928, he taught in the physics department at New York University (NYU). This was his first recognition as a physicist; though his work had been considered important by chemists, it clearly was on the borderline between the two sciences and both would claim him from this point on. Then he returned to the University of Chicago as an associate professor of physics, being promoted to full professor in 1931. He would ultimately hold a position jointly in both the physics and chemistry departments. At both NYU and Chicago, he continued to refine his molecular-orbital theory.
Up to this point, the primary way to calculate the electronic structure of molecules was based on a calculation by Walter Heitler and Fritz London on the hydrogen molecule (H2) in 1927. With the conception of hybridized atomic orbitals by John C. Slater and Linus Pauling, which rationalized observed molecular geometries, the method was based on the premise that the bonds in any molecule could be described in a manner similar to the bond in H2, namely, as overlapping atomic orbitals centered on the atoms involved. Since it corresponded to chemists' ideas of localized bonds between pairs of atoms, this method (called the Valence-Bond (VB) or Heitler-London-Slater-Pauling (HLSP) method), was very popular. However, particularly in attempting to calculate the properties of excited states (molecules that have been excited by some source of energy), the VB method does not always work well. With its description of the electron wave functions in molecules as delocalized molecular orbitals that possess the same symmetry as the molecule, Hund and Mulliken's molecular-orbital method, including contributions by John Lennard-Jones, proved to be more flexible and applicable to a vast variety of types of molecules and molecular fragments, and has totally eclipsed the valence-bond method. As a result of this development, he received the Nobel Prize in Chemistry in 1966.
Mulliken became a member of the National Academy of Sciences in 1936, the youngest member in the organization's history, at that time.
Mulliken population analysis is named after him, a method of assigning charges to atoms in a molecule.

    Family

On December 24, 1929, he married Mary Helen von Noé, daughter of a geology professor at the University of Chicago. They had two daughters.

 

Later years

In 1934, he derived a new scale for measuring the electronegativity of elements. This does not entirely correlate with the scale of Linus Pauling, but is generally in close correspondence.
In World War II, from 1942 to 1945, Mulliken directed the Information Office for the University of Chicago's Plutonium project. Afterward, he developed mathematical formulas to enable the progress of the molecular-orbital theory.
In 1952 he began to apply quantum mechanics to the analysis of the reaction between Lewis acid and base molecules. (See Acid-base reaction theories.) He became Distinguished Professor of Physics and Chemistry in 1961 and continued in his studies of molecular structure and spectra, ranging from diatomic molecules to large complex aggregates. He retired in 1985.
He died of congestive heart failure at his daughter's home in Arlington, Virginia (across the Potomac River from Washington, D.C.) His body was returned to Chicago for burial.

   References

External links

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d6/Wikiquote-logo-en.svg/40px-Wikiquote-logo-en.svg.png
Wikiquote has a collection of quotations related to: Robert S. Mulliken


Edwin McMillan / Glenn T. Seaborg (1951) · Archer Martin / Richard Synge (1952) · Hermann Staudinger (1953) · Linus Pauling (1954) · Vincent du Vigneaud (1955) · Cyril Hinshelwood / Nikolay Semyonov (1956) · Alexander Todd (1957) · Frederick Sanger (1958) · Jaroslav Heyrovský (1959) · Willard Libby (1960) · Melvin Calvin (1961) · Max Perutz / John Kendrew (1962) · Karl Ziegler / Giulio Natta (1963) · Dorothy Hodgkin (1964) · Robert Woodward (1965) · Robert S. Mulliken (1966) · Manfred Eigen / Ronald Norrish / George Porter (1967) · Lars Onsager (1968) · Derek Barton / Odd Hassel (1969) · Luis Federico Leloir (1970) · Gerhard Herzberg (1971) · Christian B. Anfinsen / Stanford Moore / William Stein (1972) · E.O.Fischer / Geoffrey Wilkinson (1973) · Paul Flory (1974) · John Cornforth / Vladimir Prelog (1975)



                                  Henri Poincaré
 

Ingressou na Escola Politécnica em 1873, continuou seus estudos na Escola de Minas sob a tutela de Charles Hermite, e se doutorou em matemática em 1879. Foi nomeado professor de física matemática na Sorbonne (1881), posto que manteve até sua morte. Antes de chegar aos trinta anos desenvolveu o conceito de funções automórficas, que usou para resolver equações diferenciais lineares de segunda ordem com coeficientes algébricos. Em 1895 publicou seu Analysis situs, um tratado sistemático sobre topologia. No âmbito das matemáticas aplicadas estudou numerosos problemas sobre óptica, eletricidade, telegrafia, capilaridade, elasticidade, termodinâmica, mecânica quântica, teoria da relatividade e cosmologia.
Foi descrito com frequência como o último universalista da disciplina matemática. No campo da mecânica elaborou diversos trabalhos sobre as teorias da luz e as ondas eletromagnéticas, e desenvolveu junto a Hendrik Lorentz, a teoria da relatividade. A conjectura de Poincaré foi um dos problemas não resolvidos mais desafiantes da topologia algébrica, sendo resolvido apenas em 2003 pelo matemático russo Grigory Perelman, mais de um século após sua proposição; e foi o primeiro a considerar a possibilidade de caos num sistema determinista, em seu trabalho sobre órbitas planetárias. Este trabalho teve pouco interesse até que começou o estudo moderno da dinâmica caótica, em 1963. Em 1889, foi premiado por seus trabalhos sobre o problema dos três corpos.
Alguns de seus trabalhos mais importantes incluem os três volumes de Os novos métodos da mecânica celeste (Les méthodes nouvelles da mécanique céleste), publicados entre 1892 e 1899, e Lições de mecânica celeste (Léçons de mécanique céleste, 1905). Também escreveu numerosas obras de divulgação científica que atingiram uma grande popularidade, como Ciência e hipótese (1902), O valor da ciência (1904) e Ciência e método (1908).

Vida

Poincaré nasceu em 29 de Abril de 1854 na Cité Ducale nas vizinhanças de Nancy na França em uma influente família. Seu pai, Leon Poincaré (1828-1892), foi um professor de medicina na Universidade de Nancy (Sagaret, 1911). Sua estimada irmã mais jovem Aline casou-se com filósofo espiritualista Emile Boutroux. Outro notável membro da família de Jules era seu primo Raymond Poincaré, que iria se tornar presidente da França, de 1913 a 1920, e um destacado membro da Academia Francesa.

Educação

Durante sua infância ele ficou seriamente doente com difteria e recebeu instrução da sua talentosa mãe, Eugénie Launois (1830-1897). Ele se destacou em redação.
Em 1862 Henri entrou no Liceu em Nancy (agora rebatizado como Liceu Henri Poincaré em sua honra, juntamente com a Universidade de Nancy). Ele gastou 11 anos no Liceu e durante este tempo ele provou ser um dos estudantes mais destacados em cada tópico que ele estudava. Sua professora de matemática o descrevia como um monstro da matemática e ele ganhou o primeiro prêmio no concours général, uma competição entre os pupilos mais destacados de todos os Liceus da França. (Suas piores matérias foram a música e a educação física, onde ele era descrito como melhor que a média (O'Connor et al., 2002). Porem, uma visão fraca e uma tendência para a falta de concentração podem explicar estas dificuldade (Carl, 1968). Ele se graduou no Liceu em 1871 com o grau de Bacharel em letras e ciência.
Durante a Guerra Franco-Prusiana serviu ao lado de seu pai no Corpo de Ambulâncias.
Poincaré ingressou na École Polytechnique em 1873. Ele estudou matemática sendo aluno de Charles Hermite, continuou se sobressaindo e publicou seu primeiro trabalho (Démonstration nouvelle des propriétés de l'indicatrice d'une surface) em 1874. Graduou-se em 1875 ou 1876 e continuou os seus estudos na École des Mines, aprofundando-se na matemática concomitantemente com sua carga de estudo em Engenharia de minas, recebendo o grau de engenheiro em Março de 1879.
Como graduado na École des Mines ele se juntou ao Corps des Mines como inspetor para região de Vesoul no noroeste da França. Ele estava no cargo quando ocorreu um desastre de mineração em Magny em Agosto de 1879 no qual morreram 18 mineiros. Ele conduziu as investigações oficiais sobre o acidente de forma conscienciosa e humana.
Ao mesmo tempo, Poincaré estava se preparando para seu doutorado em ciências da matemática sob supervisão de Charles Hermite. Sua tese de doutorado foi no campo das equações diferenciais. Poincaré delineou uma nova maneira de estudar as propriedades destas funções. Ele não somente abordou a questão da determinação das integrais de tais equações, mas também foi a primeira pessoa a estudar suas propriedades geométricas gerais. Ele conclui que elas poderiam ser usadas para modelar o comportamento de múltiplos corpos em movimento livre dentro do sistema solar. Poincaré graduou-se na Universidade de Paris em 1879.

Carreira

Logo a seguir, ele foi agraciado com o cargo de professor de matemática na Caen University. Ele porém nunca abandonou completamente sua carreira de minerador para a matemática. Ele trabalhou no Ministério de Serviços Públicos como um engenheiro na preparação da rodovia noroeste de 1881 a 1885. Ele tornou-se eventualmente engenheiro chefe da Brigada de Mineiros em 1893 e inspetor geral em 1910.
No início de 1881 e pelo resto de sua carreira, ele ensinou na Universidade de Paris, (a Sorbonne). Ele foi inicialmente indicado como o maître de conférences d'analyse (professor de analise associado) (Sageret, 1911). Eventualmente, ele ocupou a cadeira de Física e Mecânica experimental, Matemática Física e Teoria das Probabilidades, Mecânica celeste e Astronomia.
Também no mesmo ano, Poincaré casou-se com a senhorita Poulain d'Andecy. Juntos eles tiveram 4 filhos: Jeanne (nascida 1887), Yvonne (nascida 1889), Henriette (nascida 1891), e Léon (nascido 1893).
Em 1887, com 32 anos, Poincaré foi eleito para Academia Francesa de Ciências. Ele tornou-se seu presidente em 1906, e foi eleito para a Academia Francesa em 1909.
Em 1887 ele ganhou a competição matemática de Oscar II, rei da Suécia, pela resolução do problema dos três-corpos referente ao movimento livre de múltiplos corpos em órbita. (Veja a seção abaixo sobre o problema dos três corpos).
Em 1893 Poincaré junta-se ao Bureau des Longitudes francês, o qual estava se engajando na sincronização da hora em torno do mundo. Em 1897 Poincaré apoiou uma proposta sem sucesso de decimalização das medidas circulares, entre elas o tempo e a longitude. (veja Galison 2003) Foi neste trabalho que levou a considerar as questões que estabeleceram os fusos horários e a sincronização do tempo entre corpos em movimento relativo. (Veja a seção sobre relatividade abaixo)
Em 1899, e novamente de forma mais bem sucedida em 1904, ele interveio nos julgamentos de Alfred Dreyfus. Ele atacou as afirmações espúrias científicas de algumas evidências levantadas contra Dreyfus, que estavam um escritório judeu no exército francês com traição de colegas anti-semitas.
Em 1912 Poincaré submeteu-se a uma cirurgia devido a um problema de próstata e subsequentemente morreu de um embolismo em 17 de Julho de 1912, com a idade de 58. Ele foi enterrado no mausoléu da família Poincaré no Cemitério de Montparnasse, Paris.
O Ministro da Educação Francês, Claude Allegre, propôs recentemente (2004) que Poincaré seja exumado e enterrado no Pantheon em Paris, o qual é reservado para cidadãos franceses e representam uma grande honra.
Participou da 1ª Conferência de Solvay.

Trabalhos

Ele também trabalhou para a popularização da matemática e da física e escreveu vários trabalhos para público leigo.
Entre tópicos específicos que ele contribuiu podem ser enumerados

O problema dos três corpos

Em 1887, em homenagem a seu 60° aniversário, Oscar II, Rei da Suécia patrocinou uma competição matemática com um prêmio em dinheiro para resolução da questão de quão estável é o sistema solar, uma variação do problema dos três corpos. Poincaré ressaltou que o problema não estava corretamente estabelecido, e provou que a solução completa não pode ser encontrada. Seu trabalho foi tão impressionante que em 1888 o júri reconheceu seu valor através de uma premiação. Ele mostrou que a evolução de tal sistema é frequentemente caótica no sentido que pequenas perturbações em seu estado inicial, tais como um ligeira mudança na posição inicial do corpo, irão levar a uma mudança radical em seu estado final. Se esta sutil mudança não é percebida pelos nossos instrumentos de medição, então não seremos capazes de predizer o estado final a ser obtido. Um dos juizes, o distinto Karl Weierstrass, disse, Este trabalho não pode ser considerado realmente como fornecedor da solução completa para a questão proposta, mas aquilo que de mais importante tem esta publicação é que ela inaugura uma nova era na história da mecânica celestial.
Weierstrass não sabia o quão acurado ele foi. No trabalho de Poincaré, ele descreveu novas ideias matemáticas tais como pontos homoclínicos. Este texto bibliográfico foi publicado na Acta Mathematica quando o erro foi encontrado pelo autor. Este erro de fato levou Poincaré a futuras descobertas, as quais agora são consideradas o início da teoria do caos. A bibliografia foi publicada no final de 1980. Suas pesquisas a respeito dos Pontos de Lagrange e pontos de transferência de baixa energia não foram utilizados por mais de um século. Veja rede de transporte interplanetária.

                                           Trabalhos na relatividade


O trabalho de Poincaré no estabelecimento de fuso horários internacionais, o levou a considerar como relógios distribuídos sobre a Terra, os quais se movem a velocidade diferente em relação ao espaço absoluto ( ou "éter luminoso") poderiam ser sincronizados. Ao mesmo tempo o teórico holandês Hendrik Lorentz tinha estendido a teoria de Maxwell para uma teoria do movimento de partículas carregadas ("eletros" ou "íons"), e suas interações com a radiação. Para isto ele teve que introduzir o conceito de tempo local:
t^\prime = t-vx^\prime/c^2,\; \mathrm{onde}\; x^\prime = x - vt
o qual usaremos para explicar a falha dos experimentos ópticos e elétricos para a detecção do movimento relativo em relação ao éter. Poincaré (1900) argumentou que a maravilhosa invenção de Lorentz do tempo local e observou que quando movendo relógios que estão sincronizados pela troca de sinais de luzes assumimos que eles viajam ao mesmo tempo em ambas direções de um referencial [1]. Em A Medição do Tempo (Poincaré 1898), ele argumenta que a dificuldade de estabelecer a simultaneidade de eventos distantes e concluiu que isto pode ser estabelecido por convenção. Ele também discute o postulado da velocidade da luz, e formula o Principio da relatividade, de acordo com o qual nenhum experimento magnético ou mecânico pode detectar a diferença entre estados de movimento uniforme.
Alem disto, Poincaré era um divulgador constante (e algumas vezes crítico amigável) da teoria de Lorentz. Poincaré como um filósofo, tinha interesse no "significado profundo". Portanto ele interpretava a teoria de Lorentz nos termos do Principio da relatividade e isto acabou levando a muitas ideias que agora são associadas com a Relatividade restrita.
Em um trabalho de 1900 Poincaré discutia o recuo de um objeto físico quando este emite um jato de radiação em sua direção, como predito pela eletrodinâmica de Maxwell-Lorentz. Ele comentou que o fluxo de radiação parecia atuar como um fluido fictício com uma massa por unidade de volume de e/c², onde e é a densidade de energia; em outras palavras, o equivalente da massa da radiação é m = E / c2, ou E = mc2. Poincaré considerava este recuo do emissor como um aspecto não solucionado da teoria de Maxwell-Lorentz, o qual ele discute novamente em Ciência e Hipótese (1902) e em O Valor da Ciência (1904). Por último ele disse que o recuo é contraditório com o principio de Newton desde nosso projétil aqui não tem massa, ele não é matéria, mas energia, e discute dois outros efeitos inexplicáveis:
  1. não conservação de massa implicada pela massa variável de Lorentz γm, a teoria de Abraham da massa variável e os experimentos de Kaufmann da massa de elétrons rápidos em movimento e
  2. não conservação da energia nos experimentos com rádio de Madame Curie. Deve-se a Einstein a ideia de que um corpo perdendo energia como radiação ou calor estava perdendo massa na razão de m = E / c2, e a correspondência lei conservação de energia-massa, o qual resolveria estes problemas.
Em 1905 Poincaré escreveu para Lorentz [2] a respeito de um trabalho de Lorentz de 1904, no qual Poincaré o descreve como um trabalho de suprema importância. Nesta carta ele aponta um erro que Lorentz cometeu quando ele aplicou sua transformação nas equações de Maxwell, para o espaço ocupado pela carga, e também questionou o fator de dilatação do tempo dado por Lorentz. Em uma segunda carta para Lorentz[3], Poincaré explicou as propriedades do grupo da transformação, para o qual Lorentz não tinha reparado, e deu sua própria explicação sobre por quê o fator de dilatação do tempo de Lorentz estava realmente correto: o fator de Lorentz era necessário para a transformação de Lorentz formar um grupo. Nesta carta, ele também atribui a Lorentz aquilo que hoje é conhecido como lei relativística da adição velocidade, a qual é necessária para demonstrar a invariância. Poincaré depois entregou um trabalho no encontro da Academia de Ciência de Paris em 5 Junho de 1905 na qual estes assuntos foram discutidos.

 

    Ligações externas

Commons
O Commons possui multimídias sobre Henri Poincaré
             Henry Moseley

Henry Gwinh Albericosdete-Jeffreys Moseley (Weymouth, 23 de novembro de 1887Gallipoli, 10 de agosto de 1915) foi um físico inglês.
Foi assistente de Ernest Rutherford, descobriu, em 1913, uma relação entre o espectro de raios X de um elemento químico e seu número atômico. Graças ao seus estudos a tabela periódica adquiriu sua forma definitiva.

 

Os Raios X e a Tabela Periódica: A Lei de Moseley


Por volta de 1913, Moseley mediu as freqüências das linhas espectrais dos raios X característicos de cerca de 40 elementos. A partir do gráfico da raiz quadrada da freqüência versus o número atômico Z do elemento, ele obteve a seguinte relação
f1/2=An(Z-b),

onde An e b são constantes que dependem da linha espectral.

A repercussão imediata deste resultado foi a alteração da tabela periódica. Antes do trabalho de Moseley o número atômico era associado à posição do átomo na tabela periódica de Mendelev, a qual distribuía os elementos de acordo com o seu peso.


Moseley mostrou, por exemplo, que o argônio deveria ter Z=18, ao invés de Z=19 (conforme a tabela de Mendelev). Por outro lado, o potássio deveria ter Z=19, ao invés de Z=18. Ele também mostrou que o cobalto deve preceder ao níquel, apesar do peso atômico do Co ser maior do que o do Ni. De acordo com Mendelev, o número atômico era aproximadamente igual à metade do peso atômico. Moseley definiu o peso atômico como igual ao número de elétrons do átomo eletricamente neutro.
Esse trabalho de Moseley teve papel importantíssimo na consolidação e aceitação internacional do modelo de Bohr. Na verdade, foi o primeiro dos trabalhos experimentais a confirmar as predições de Bohr. Logo que tomou conhecimento do trabalho de Bohr, Moseley mostrou que sua expressão para a radiação Ka podia ser escrita da seguinte forma:
nKa = R(Z-1)2(1/12 - 1/22),
onde R é a constante de Rydberg (veja o capítulo sobre o modelo de Bohr).
Dificuldades experimentais levaram Moseley a examinar linhas mais moles, do tipo La, Ma, etc., para elementos além da prata. Para as raias La, Moseley obteve a seguinte expressão:
nLa = R(Z-7.4)2(1/22 - 1/32).
Comparando-se as expressões obtidas por Moseley com a fórmula de Balmer-Rydberg deduzida por Bohr, vê-se que elas diferem pela presença de uma constante subtrativa ao valor de Z. Moseley explicou-a como sendo devido ao efeito de blindagem da carga nuclear pelos elétrons orbitais mais intensos.
A lei de Moseley apresentava resultados bastante diferentes daqueles do paradigma científico vigente. Através dela Moseley deduziu que entre o hidrogênio e o urânio, deveria haver exatamente 92 tipos de átomos, cujas propriedades químicas eram governadas por Z, e não pelo peso atômico. Isto significava dizer que a tabela periódica devia seguir a ordem crescente do número atômico e não a do peso atômico. Obedecida essa seqüência, os lugares correspondentes a Z = 43, 61, 75, 85 e 87 ficaram vagos.
Em 1925, o casal Noddack descobriu o rênio, o elemento com Z=75. O elemento 87, descoberto em 1939, por Marguerite Perey, recebeu o nome de frâncio e pertence a uma família radioativa natural. Os elementos 43 (tecnécio), 61 (promécio) e 85 (astatínio) foram obtidos artificialmente. Sendo suas vidas-médias muito curtas, esses elementos não podiam ser naturalmente produzidos, ou pelo menos observados.
Moseley
Henry Gwyn-Jeffreys Moseley nasceu em 1887, em Weimouth, Inglaterra. Ele era físico e colaborador de Rutherford.
Moseley realizou estudos importantes em espectroscopia de raio-X. No início da 2ª década de 1900, Moseley estudava a emissão de radiação-X por átomos que haviam sido bombardeados por feixe de elétrons, concluindo que esta emissão estava ligada à um valor inteiro de cargas positivas no núcleo atômico.
Moseley verificou que átomos de elementos químicos diferentes possuíam diferentes números de carga positiva no núcleo. Este valor de carga ficou conhecido como número atômico, o que caracterizava cada elemento químico.
Esta foi uma importante descoberta para a classificação periódica dos elementos, uma vez que, a antiga classificação em torno da massa atômica, ficava para trás e a relação real de periodicidade das propriedades dos elementos, era colocada em função do número atômico.
Neste momento é que a tabela periódica começa a ter a aparência que possui atualmente.

Em 1915, Moseley morre em um combate pela Primeira Guerra Mundial, em Dardanelos, na Grécia.
AMEDEO AVOGADRO

Químico e físico italiano, Amedeo Avogadro, conte di Quaregna e Ceretto, nasceu em Turim, a 9 de agosto de 1776, e aí faleceu a 9 de julho de 1856. É autor de um dos mais importantes princípios da química moderna, a hipótese hoje conhecida como lei de Avogadro. Apesar de formado em ciências jurídicas e de haver praticado a advocacia por alguns anos, Avogadro manifestou, desde cedo, interesse pela química. Em 1809 foi admitido como professor de física no Reale Collegio di Vercelli.
Em 1811 enunciou sua famosa hipótese: "Iguais volumes de quaisquer gases encerram o mesmo número de moléculas, quando medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão". Os contemporâneos, notadamente Berzelius, recusaram-se a aceitá-la. Só em 1858, quando Cannizzaro, baseando-se nela, estabeleceu em definitivo a teoria atômico-molecular, é que a hipótese de Avogadro foi universalmente consagrada como lei.
Em 1820 Avogadro obteve a cadeira de física da universidade de Turim. Por essa época escreveu vários trabalhos sobre questões de química e de física, grande parte dos quais foi publicada nos Atti dell'Academia dessa Scienze, em Turim. Depois de vários incidentes, retirou-se, em 1850, da universidade.
A conseqüência mais importante da lei de Avogadro foi o estabelecimento da constante universalmente conhecida como número de Avogadro, cujo valor foi pela primeira vez determinado, com certa aproximação, em 1865.
O Número de Avogadro é o número de moléculas contidas em um mol de qualquer substância. Seu valor é 6,02252.1023, de acordo com pesquisas efetuadas em 1965, que demostraram, ainda, que o valor anteriormente fixado por Millikan, 6,06.1023, não era bastante preciso.
O Volume de Avogadro é o volume ocupado por 1 mol de qualquer gás, nas condições normais de temperatura e pressão (273 K e 1 atm). Nessas condições, seu valor, calculado pelo físico austríaco Joseph Loschmidt (1821 – 1895), é 22,412 litros.
O número de Avogadro é uma constante  adimensional (não possui unidade, logo não representa uma grandeza) que indica a quantidade de átomos de Carbono-12 que, juntos, representam 12g da substância – 1 mol de C-12. O nome da constante é uma homenagem ao cientista Amedeo Avogadro.
Assim, 1 mol de quaisquer substâncias possuem obrigatoriamente NA entidades constituintes, incluindo-se os gases às mesmas condições de temperatura e pressão, ex.: se Nitrogênio e Oxigênio encontram-se à 1 atm num recipiente de 22,4 l e a 0°C (273,15 K), o número de moles (mols) de ambos será igual a 1. A partir daí, Avogadro conseguiu explicar como os gases se combinavam facilmente quando os respectivos volumes obedeciam a proporções simples entre si; além de, algum tempo depois, descobrir que os gases apresentam-se na Natureza em formas diatômicas.

A constante de Avogadro

Vários experimentos foram realizados em busca do número de Avogadro. No início do século XX o professor de físico-química da Universidade de Paris Jean Baptiste Perrin estimou a constante de Avogadro como um número entre 6,5 x 1023 e 7,2 x 1023. Como consequência recebeu o prêmio Nobel de física em 1926.
Com o aperfeiçoamento dos experimentos e dos métodos de cálculos, chegou-se ao seguinte valor: NA = 6,02214179×1023.

Número de Avogadro e a Massa Molar

Com o aparecimento do número de Avogadro foi possível a determinação mais precisa das massas molares de qualquer substância formada a partir de elementos da tabela periódica. Para isso, utiliza-se a definição de UMA (Unidade de Massa Atômica), da constante de Avogadro e da massa atômica dos constituintes.
1 UMA ≈ 1,66×10-24g
NA ≈ 6,022×1023
Ex.: Calculemos o valor da massa molar do dióxido de carbono.
Sendo uma molécula de dióxido de carbono (CO2) constituída por dois átomos de Oxigênio e um átomo de Carbono, a massa molar dessa molécula é dada pela soma das massas atômicas do Carbono e dos dois átomos de Oxigênio multiplicando-se pela constante de Avogadro e pela constante UMA:
MMCO2 = (MAC + 2MAO).NA.UMA
MMCO2 = (12 + 32). 6, 022×1023 . 1,66×10-24
MMCO2 = 44 . 6,022×1023 . 1,66×10-24
Repare que o produto 6,022×1023 . 1,66×10-24 é aproximadamente igual a 1, assim, a massa molar do dióxido de carbono é numericamente igual à sua massa molecular:
MMCO2 = 44 g/mol
Por isso que as massas molares de uma molécula, íon, átomo ou radical sempre coincidem com as respectivas massas moleculares, massas-fórmulas (para os íons) e massas atômicas dos mesmos.

Qual a relação que existe entre 1 mol e o número de Avogadro? Comecemos definindo o que é mol:

O mol é a quantidade de matéria de um sistema que contém tantas entidades elementares quanto são os átomos contidos em 0,012 quilogramas de carbono 12.

Mas o que é carbono 12? 12C é o isótopo do elemento carbono com 6 prótons, 6 nêutrons e 6 elétrons, ele tem um papel muito importante na Química. O Carbono 12 foi escolhido como padrão de referência para a medida das massas atômicas porque é o mais abundante de todos os isótopos do elemento carbono, ocorre na natureza na porcentagem relativa de 98,94%. Outros isótopos do carbono como o 13C e 14C são encontrados em menores quantidades.

Voltemos à pergunta inicial: a relação entre mol e número de Avogadro. O número de entidades elementares contidas em 1 mol correspondem à constante de Avogadro, cujo valor é 6,02 x 1023 mol-1. Esta comparação foi estipulada porque 1 mol coincide com o número de Avogadro.

Sendo assim ficou definido que 1 mol de átomos é igual a 6,02 x 1023 , e 1 mol contém 12 gramas (equivalente ao 12C).

1 mol = 6,02 x 1023 = 12 gramas

Estudando este conteúdo pode surgir uma dúvida: de onde vem o número de Avogadro?
É proveniente dos estudos de Amedeo Avogadro (1786-1856), este cientista estudava os gases quando enunciou uma hipótese, mais tarde suas pesquisas foram reconhecidas e surgiu então a constante de Avogadro, em sua homenagem.

Agora um exemplo do cálculo da quantidade de átomos baseado na constante de Avogadro:
Como calcular a quantidade de átomos em 50 gramas de Sódio (Na)?
Massa atômica do Sódio = 23 g (gramas)
Estabelecendo uma relação com o número de Avogadro temos:

1 mol de Na = 23 g = 6,02 x 1023

Pela regra de três teremos:

Em 23 g (Na) têm-se 6,02 x 1023 átomos
Então em 50 g teremos X átomos

Calculando:

23 — 6,02 x 1023
50 — X

X = 50 • 6,02 x 1023
             23

X = 13,08 x 1023 átomos de Sódio (Na)


Por Líria Alves
Graduada em Química
Equipe Brasil Escola
Amedeo Avogadro é autor de um dos mais importantes princípios da química moderna, hoje conhecido como lei de Avogadro.
Lorenzo Romano Amedeo Carlo Avogadro, Conde de Quarequa e de Cerreto, herdou o título de nobreza do pai, um célebre advogado, presidente do senado do Piemonte em 1799.
Apesar de formado em ciências jurídicas e de haver praticado a advocacia, Avogadro manifestou, desde cedo, interesse pelas ciências naturais, estudando por sua própria conta, química, física e matemática. Em 1809 foi admitido como professor de física no Reale Collegio di Vercelli.
Em 1811, Avogadro publicou um artigo em um jornal científico, onde ele fazia a distinção entre moléculas e átomos. Afirmava (ao contrário do que se pensava) que, no caso da água, os "átomos" de hidrogênio e oxigênio eram na verdade "moléculas". Uma molécula de oxigênio reagiria com duas moléculas de hidrogênio (H2O).
Assim enunciou sua famosa hipótese: "Iguais volumes de quaisquer gases encerram o mesmo número de moléculas, quando medidos nas mesmas condições de temperatura e pressão".
Seus contemporâneos recusaram-se a aceitar essa idéia o seu trabalho foi negligenciado. Avogadro trabalhava só, escrevia em jornais pouco divulgados e era muito religioso e modesto.
Além disso estava na moda a Eletroquímica, desenvolvida por Galvani e por Volta, que teve o seu pesquisador, Berzélius, contra o princípio de Avogadro, pois acreditava que uma composição química deveria ser formada pela atração de partículas contendo cargas opostas. Esse conceito prevaleceu por quase sessenta anos após a publicação dos trabalhos de Avogadro. Em 1820 Avogadro obteve a cadeira de física da universidade de Turim e escreveu vários trabalhos sobre questões de química e de física. Em 1850, retirou-se da universidade.
Somente em 1858, quando
Stanislao Canizzarro estabeleceu em definitivo a teoria atômico-molecular, é que a hipótese de Avogadro foi universalmente consagrada como lei. Durante a Conferência de Karlsrue, na Alemanha, em 1860, Cannizarro forçou a apresentação de Avogadro, mostrando que suas idéias permitiriam não só a determinação das massas atômicas das moléculas, mas também, indiretamente, dos seus átomos constituintes. Esta era a chave para a unificação da química em torno de uma base única.
A conseqüência mais importante da lei de Avogadro foi o estabelecimento da constante conhecida como número de Avogadro, cujo valor foi pela primeira vez determinado, com certa aproximação, em 1865.
O Número de Avogadro é o número de moléculas contidas em um mol de qualquer substância. Seu valor é 6,02252.1023. O Volume de Avogadro é o volume ocupado por 1 mol de qualquer gás, nas condições normais de temperatura e pressão (273 K e 1 atm). Nessas condições, seu valor, calculado pelo físico austríaco Joseph Loschmidt (1821 - 1895), é 22,412 litros.

                                   Evangelista Torricelli
 

Evangelista Torricelli (Faenza, 15 de Outubro de 1608Florença, 25 de outubro de 1647) foi um físico e matemático italiano.
Torricelli perdeu o pai muito cedo e foi educado pelo tio, um monge que o enviou para Roma, em 1627, a fim de estudar ciências com o beneditino Benedetto Castelli (1577-1644), professor de matemática no Collegio di Sapienza.
O estudo de Duas Novas Ciências, de Galileu (1638) inspirou-lhe muitos desenvolvimentos dos princípios mecânicos aí apresentados, que ele publicou no tratado De motu (incluído na sua Opera geometrica, 1644). O envio desta obra, por Castelli, a Galileu, em 1641, com uma proposta para que Torricelli fosse residir com o sábio florentino, levou a que Torricelli partisse para Florença, onde conheceu Galileu, e onde o serviu como amanuense durante os últimos três meses da sua vida.
Depois da morte de Galileu, Torricelli foi nomeado matemático do grão-duque e professor de matemática na academia Florentina. A descoberta do princípio do barômetro que perpetuou a sua fama ("tubo de Torricelli", "vácuo de Torricelli") aconteceu em 1643. O torricelli (símbolo torr), uma unidade de pressão, recebeu o seu nome.
Torricelli também é famoso pela descoberta de um sólido infinitamente longo que hoje é chamado Trombeta de Gabriel, cuja área superficial é infinita, mas cujo volume é finito. Esta propriedade foi vista como um paradoxo "incrível" por muitos contemporâneos (incluindo o próprio Torricelli, que tentou várias demonstrações alternativas), e desencadeou uma controvérsia sobre a natureza do infinito com o filósofo Hobbes. Alguns supõem ter sido esta a origem da ideia de um "infinito completo". Torricelli faleceu em Florença poucos dias depois de cantrair Febre tifoide.

Ver também

   Ligações externas

                                         Antoine Lavoisier
 

Antoine Laurent de Lavoisier (Paris, 26 de agosto de 1743 — Paris, 8 de maio de 1794) foi um químico francês, considerado o criador da química moderna.
Foi o primeiro cientista a enunciar o princípio da conservação da matéria. Além disso, identificou e batizou o oxigênio, refutou a teoria flogística e participou na reforma da nomenclatura química. Célebre por seus estudos sobre a conservação da matéria, mais tarde imortalizado pela frase popular:
       "Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma."

Biografia

Lavoisier nasceu em 26 de agosto de 1743,e faleceu em 8 de maio de 1794 aos 50 anos numa família nobre francesa. Teve uma excelente educação, era católico e formou-se em direito.
Nunca chegou a ser um advogado, pois optou pela ciência. Lavoisier é considerado o pai da química. Foi ele quem descobriu que a água é uma substância composta, formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio: o H2O. Essa descoberta foi muito importante para a época, pois, segundo a teoria de Tales de Mileto , que ainda era aceita, a água era um dos quatro elementos terrestres primordiais, a partir da qual outros materiais eram formados.
Em 16 de Dezembro de 1771 Lavoisier casou-se com uma jovem aristocrata, de nome Marie-Anne Pierrette Paulze. A sua mulher tornou-se num dos seus mais importantes colaboradores, não só devido ao seu conhecimento de línguas (em particular o inglês e o latim), mas também pela sua capacidade de ilustradora. Marie-Anne foi responsável pela tradução, para francês, de obras científicas escritas em inglês e em latim, fazendo ilustrações de algumas das experiências mais significativas feitas por Lavoisier.
Ele viveu na época em que começava a Revolução Francesa, quando o terceiro estado (camponeses, burgueses e comerciantes) ficaria com o poder da França.
Foi morto pela mesma, pois era muito mal visto pela população, que pensava que, por ser de uma família nobre, Lavoisier, também, participava do corrupto sistema cheio de impostos sobre a sociedade.
Foi guilhotinado após um julgamento sumário em 8 de Maio de 1794. Joseph-Louis de Lagrange, um importante matemático, contemporâneo de Lavoisier disse: "Não bastará um século para produzir uma cabeça igual à que se fez cair num segundo".

  Participação na Academia de Ciências

Lavoisier foi pela primeira vez proposto como membro da Académie des Sciences em 1766, mas só foi eleito em 1768. Como membro de pleno direito, Lavoisier participou em comissões de investigação de novas teorias e/ou fenómenos, de forma a avaliar a sua legitimidade científica.

Avaliação do mesmerismo

O mesmerismo é uma teoria desenvolvida por Franz Anton Mesmer, com grande destaque na Europa durante a década de 1780. Segundo essa teoria, existe um único fluido no Universo, que une e relaciona todos os corpos. Este fluido manifestar-se-ia de diferentes formas incluindo: gravidade, eletricidade, magnetismo e magnetismo animal (nos seres vivos). Segundo Mesmer, as doenças eram causadas por bloqueios do fluxo magnético animal nos seres vivos, e a sua cura poderia ser possível através do restabelecimento do fluxo, feito por especialistas com um forte magnetismo. Para curar um doente, o especialista localizava os locais onde o fluxo se encontrava bloqueado e restabelecia o fluxo massageando as áreas afetadas do corpo.
Em 1778, Mesmer fixou residência em Paris, montando o seu próprio consultório e estabelecendo uma rede de discípulos. A sua influência na sociedade francesa foi suficiente para preocupar o rei francês, Luís XVI, que requereu, seis anos mais tarde, o estudo do mesmerismo por uma comissão independente.
Em 1784 foram criadas duas comissões para o estudo do mesmerismo: uma composta por elementos da Sociedade de Medicina, e outra composta por elementos da Académie des Ciences. A comissão da Academia era composta por Jean d'Arcet, Joseph-Ignace Guillotin, Jean Borie, Sallin, Bailly, Le Roy Benjamin Franklin e Lavoisier.
O objetivo da comissão foi testar a existência do fluxo magnético animal, visto que o mesmerismo considerava a cura dependente deste fluido. No entanto, segundo o próprio mesmerismo, não era possível analisar ou conhecer as características do fluxo magnético animal, e como tal, tornou-se impossível realizar experiências para testar as suas propriedades físicas.
Mesmer propôs que o estudo incidisse sobre as curas atribuídas à ação do fluxo magnético animal. No entanto a comissão concluiu que não era possível isolar a ação do fluido dos outros fatores que contribuem para uma cura, ou mesmo determinar se a cura era realmente consequência da ação do fluido. Mesmer recusou-se a cooperar com a comissão da Académie des Ciences, quando soube que o estudo do mesmerismo não ia incidir nas curas. Foi substituído por Charles Deslon, que na altura, era o principal discípulo francês do mesmerismo.
Como a comissão suspeitou que as curas se deviam mais ao poder de sugestão (devido à forma como as sessões de cura eram conduzidas), decidiu realizar duas séries de experiências: uma em que as pessoas eram sujeitas ao poder de sugestão, mas não à ação sobre o fluxo magnético animal; outra em que as pessoas eram sujeitas à ação do fluxo magnético animal, mas sem serem informados deste fato. Essas experiências foram desenvolvidas, principalmente, por Lavoisier.
Rapidamente a comissão concluiu pela análise das experiências realizadas que, não existe fluxo magnético animal e que as curas resultavam simplesmente da ação do poder de sugestão. A comissão elaborou um relatório com o título de Rapport des commissaire changés par le roi de l'examen du magnétism animal, incluindo os objetivos do estudo, a descrição das experiências realizadas e as conclusões tiradas. Mais uma vez pensa-se que Lavoisier teria exercido um papel importante na elaboração desse relatório.

Estudo do oxigênio

Lavoisier não descobriu exatamente o oxigênio. Este gás foi descoberto independentemente por dois químicos: Carl Wilhelm Scheele em 1772 e Joseph Priestley em 1774. Em Outubro de 1774, Priestley visitou Paris e conversou com Lavoisier sobre as suas experiências. Este fato permitiu a Lavoisier refazer as experiências de Priestley e reformulá-las. Dessa forma, Lavoisier ficou a compreender melhor as características do novo gás. E ainda confirmou que a combustão e a calcinação correspondem à combinação do oxigênio com outros materiais (materiais orgânicos na combustão e metais na calcinação).
Lavoisier deu ao novo gás o nome de oxigênio (produtor de ácidos em grego), porque considerava (erroneamente) que todas as substâncias originadas de uma calcinação originavam ácidos, em que o oxigênio se encontrava obrigatoriamente presente. Por 1789, ele formulou o princípio da conservação da matéria.

Participação na Ferme Général

Em 1768 Lavoisier adquiriu uma participação na Ferme Général, o sistema de impostos utilizado na altura em França para a taxação de impostos. A Ferme Général não era um sistema muito popular na época, principalmente entre aqueles que tinham de pagar os impostos (o povo). Embora Lavoisier tendo se retirado desse sistema, a sua ligação à Ferme Général foi utilizada como desculpa para o condenar à morte.
Em 17 de Setembro de 1793 foi instituída a Lei dos suspeitos, que permitiu a criação de tribunais revolucionários para julgar possíveis traidores e punir os culpados com a pena de morte. Três dias depois, Lavoisier recebeu um mandato que permitiu o confisco e a selagem dos seus documentos. Mais tarde, os documentos foram de novo entregues a Lavoisier, dando-lhe um falso sentimento de segurança.

   Bibliografia

  • Ashall, Frank. Descobertas Notáveis - Do Infinitamente Grande ao Infinitamente Pequeno. Lisboa: Editora Replicação, 2001.
  • Bell, Madison Smartt. Lavoisier in the Year One. New York: Atlas Books, 2005.
  • Crump, Thomas. A Brief History of Science. London: Robinson, 2002.
  • Donovan, Arthur. "Antoine Lavoisier: Science, Administration and Revoution.Cambridge: Cambridge University Press, 1996.
  • Eagle, Cassandra T. and Sloan, Jenifer. "Marrie Anne Paulze Lavoisier: The Mother of Modern Chemistry." The Chemical Educator3.5 (1998):1-18.
  • Gould, Stephen Jay. "Bully for Brontosaurus". London: Penguin Books, 1992.
  • Gribbin, Jonh. Science, a History. London: Penguin Books, 2003.
  • Morris, Richard. The Last Sorcerers. Washington: Joseph Henry Press, 2003.

Ligações externas


             Joseph Louis Proust


Químico e farmacêutico francês, Joseph Louis Proust nasceu em Angers a 29 de setembro de 1754 e morreu na mesma cidade a 5 de julho de 1826. Filho de um boticário, estudou química. Chefiou a farmácia do hospital Salpêtrière, em Paris. Pronunciou conferências no Palais Royal. Esteve na Espanha, onde ensinou química na academia de artilharia de Segóvia e em Salamanca. Trabalhou no recém-instalado laboratório de Carlos IV, em Madrid. Em 1816 foi eleito para a Academia de Ciências da França, retirando-se a seguir para Angers.
Enquanto no Salpêtrière, Proust publica trabalhos sobre a urina, o ácido fosfórico e o alúmen. Em 1784 acompanha Pilâitre de Rozier numa ascensão em aeróstato. Durante sua estada na Espanha Proust estuda os minerais espanhóis. Enuncia a lei das proporções definidas (1806), um das bases do atomismo químico, e que recebe seu nome. A lei é formulada em 1808 por John Dalton, mas é o trabalho de Proust que fornece as provas empíricas que determinam sua aceitação.
Ainda em Madrid, Proust empreende estudos que resultam na descoberta de um processo de extrair açúcar da uva. Em 1806 volta à França. Durante o bloqueio continental é convidado por Napoleão I para fundar uma fábrica de açúcar de acordo com o processo por ele inventado, mas recusa a oferta. Proust pesquisa ainda os sais dos ácidos orgânicos. É um dos fundadores da análise química.

Químico francês nascido a 26 de Setembro de 1754 em Angers e falecido a 5 de Julho de 1826. Distinguiu-se pelos seus trabalhos sobre a invariabilidade da composição química dos compostos.
Iniciou uma aprendizagem de Química, com seu pai, que exercia a profissão de farmacêutico. Em Paris foi farmacêutico-chefe da Salpetrière, ao mesmo tempo que se interessava pelos problemas ligados à construção de balões ascensionais. Deslocou-se a Espanha, ensinando Química na Escola de Artilharia de Segóvia, depois em Salamanca e chegando, por influência de Carlos IV, à direcção do Laboratório Real, em Madrid. Com a queda de Carlos IV, em 1808, teve que se retirar para França.
Devem-se à sua grande competência como analista os resultados que obteve, permitindo estabelecer a constância da composição dos compostos. Isto é tanto mais de salientar pois, nessa época, predominavam as ideias da acção das massas. Em seu favor militava o grande prestígio de Berthellot, que admitiu que a composição das diferentes substâncias dependia da concentração dos reagentes utilizados na sua obtenção. Proust, em 1799, provou a constância da composição do carbonato de cobre por ensaios analíticos no laboratório.
Estudou analiticamente os dois óxidos de estanho e os dois sulfuretos de ferro, provando que eram compostos distintos e a não existência de substâncias com composição intermédia. Os seus ensaios laboratoriais mostraram que os óxidos de composição variável, estudados por Berthellot, eram produtos hidratados e que a variação do teor em oxigénio provinha do diferente grau de hidratação. Realizou também trabalhos sobre a caracterização de açúcares, presentes em produtos vegetais, mostrando as analogias com os do mel.
            Robert Wilhelm Bunsen



Robert Wilhelm Eberhard von Bunsen (Göttingen, 31 de março de 1811[1][2][3][4]Heidelberg, 16 de agosto de 1899) foi um químico alemão.
Aperfeiçoou um queimador, conhecido atualmente como bico de Bunsen, inventado pelo físico-químico britânico Michael Faraday, e trabalhou com emissões espectrais de elementos químicos aquecidos.
Bunsen foi o mais novo de quatro filhos. Após ter terminado os estudos escolares em Holzminden, foi estudar química na Universidade de Göttingen. Obteve seu doutorado com 19 anos de idade e, então, entre 1830 e 1833 viajou através da Europa Ocidental. Durante este tempo, encontrou-se com Runge, o descobridor da anilina, Justus von Liebig em Giessen, e Mitscherlich em Bonn.
Retornando a Alemanha, Bunsen passou a lecionar em Göttingen e iniciou seus estudos experimentais sobre a (in)solubilidade dos sais metálicos do ácido arsenioso. Hoje, sua descoberta do uso do óxido de ferro hidratado como um agente precipitante é, ainda, o melhor antídoto conhecido para combater o envenenamento por arsênico.
Em1836, Bunsen sucede Wöhler em Kassel. Após ensinar lá por dois anos, aceitou um cargo na Universidade de Marburg, onde estudou derivados da arsina. Embora o trabalho de Bunsen ser aclamado, quase morreu de envenenamento por arsênio. Custou-lhe também a perda da visão de um olho, quando uma explosão projetou um fragmento de vidro no seu olho. Em 1841, Bunsen criou o eletrodo de carbono que poderia substituir o caríssimo eletrodo de platina utilizado na bateria de Grove.

 
Em 1852, Bunsen assumiu o cargo de Leopold Gmelin em Heidelberg. Usando o ácido nítrico passou a produzir metais puros como o cromo, magnésio, alumínio, manganês, sódio, bário, cálcio e lítio por eletrólise. Com a colaboração de Sir Henry Roscoe iniciou, em 1852, o estudo da obtenção do cloreto de hidrogênio a partir do hidrogênio e cloro.
Em 1859, Bunsen interrompeu seu trabalho com Roscoe e, junto com Gustav Kirchhoff, passou a estudar o espectro de emissão de elementos aquecidos. Para essa finalidade, Bunsen aperfeiçou um queimador de gás especial, inventado pelo cientista Michael Faraday em 1785 que mais tarde foi denominado “queimador de Bunsen” ou “bico de Bunsen”. Quando Bunsen aposentou-se com a idade de 78 anos, deslocou seu interesse para a geologia, que tinha sido o seu passatempo por muito tempo.

Personalidade

Bunsen foi um dos cientistas de sua geração mais admirados universalmente. Ele foi um mestre, dedicado aos seus alunos, e eles foram igualmente dedicados a ele. Em momentos de fortes e muitas vezes cáusticos debates científicos, Bunsen sempre comportou-se como um perfeito cavalheiro, mantendo distância das disputas teóricas. Ele preferia muito mais trabalhar em silêncio em seu laboratório, enriquecendo a ciência com as descobertas úteis. Por uma questão de princípio, nunca registrou uma patente, apesar do fato de suas descobertas terem lhe rendido uma grande riqueza. Bunsen nunca se casou.

Aposentadoria e morte

Quando Bunsen aposentou-se com 78 anos de idade, ele mudou o foco de seu trabalho exclusivamente para a geologia e mineralogia, um interesse que ele tinha levado a cabo ao longo de sua carreira. Ele morreu em Heidelberg, aos 88 anos.[5]

Referências

  1. Robert Wilhelm von Bunsen, Encyclopædia Britannica de 1911
  2. Bunsen, Robert na Allgemeine Deutsche Biographie
  3. http://www.woodrow.org/teachers/ci/1992/Bunsen.html
  4. Robert Wilhelm Bunsen no Notable Names Database
  5. http://www.brasilescola.com/biografia/robert-wilhelm.htm
      Johann Wolfgang Döbereiner


Johann Wolfgang Döbereiner (Dezembro 13, 1780 – Março 24, 1849), professor de química na Universidade de Iena. Filho de um cocheiro, Döbereiner era em grande parte autodidata. Conseguiu obter um cargo como farmacêutico e frequentava avidamente as conferências públicas locais sobre ciência que se realizavam usualmente. Seu conhecimento químico precoce valeu-lhe a atenção de Karl August, duque de Weimar, que finalmente lhe assegurou uma nomeação para a Universidade de Iena. Ali suas aulas eram regularmente assistidas por Goethe, que tinha um interesse tão intenso em ciência que, em certa época, considerou suas atividades nesse campo mais importantes que seus escritos, tendo influenciado, também, mais tarde, o pensador científico, o filósofo Schopenhauer.
Quando estava trabalhando em suas próprias ideias morfológicas, em 1829, percebeu que o recém-descoberto elemento bromo tinha propriedades que pareciam situar-se a meio caminho entre as do cloro e as do iodo. Não só isso, seu peso atômico ficava exatamente a meio caminho entre os desses dois elementos.
Döbereiner começou a estudar a lista dos elementos conhecidos, registrados com suas propriedades e pesos atômicos, e acabou descobrindo outros dois grupos de elementos com o mesmo padrão. O estrôncio situava-se a meio caminho (em peso atômico, cor, propriedades e reatividade) entre o cálcio e o bário; e o selênio podia ser igualmente situado entre o enxofre e o telúrio. Döbereiner chamou esses grupos de tríades, e começou uma ampla investigação dos elementos em busca de outros exemplos, mas não conseguiu encontrar mais. A “lei das tríades” de Döbereiner aplicava-se aos 54 elementos conhecidos.
Contribuiu para o desenvolvimento da tecnologia dos vidros ópticos quando preparou e caracterizou quanto à refracção e à difracção vidros em cuja composição introduziu o bário e o estrôncio.
A partir de 1803, com a teoria atômica de Dalton, a concepção de matéria ficou mais clara. Surgia a noção de elemento químico e a possibilidade de eles se combinarem, formando diferentes substâncias.

À medida que os elementos iam sendo descobertos e efetuavam-se estudos sobre suas propriedades químicas e físicas, os químicos preocupavam-se em ordená-los em grupos segundo características comuns ou semelhantes. Objetivavam com isso não só sistematizar mas, mais importante, prever reações e comportamentos em vista das analogias estabelecidas. Desta forma, vários cientistas puderam elaborar classificações dos elementos.
                          As Tríades de Döbereiner
A primeira tentativa de classificação deve-se ao alemão Johann Wolfgang Döbereiner, em 1829. Döbereiner observou que em grupos de três elementos com propriedades químicas muito semelhantes, o peso atômico do elementos médio era aproximadamente igual à média aritmética dos pesos atômicos dos elementos externos:


   Cl à PA=  35,5                          Ca à PA=   40,0                         S   à PA= 32,0
    Br
à PA=  80,0  Média= 81,2   Sr à PA=   87,6  Média= 88,6    Se à PA= 79,0  Média= 79,8
    I  
à PA =127,0                         Ba à PA= 137,3                         Te à PA= 127,6
 Döbereiner construiu também tríades com elementos de propriedades químicas semelhantes, onde os elementos tinham pesos atômicos muito próximos:

Mn à PA= 54,9
Fe  
à PA= 55,8
Co 
à PA= 58,9

Esta classificação foi abandonada quando se constatou a formação de grupos de quatro elementos com características semelhantes, como por exemplo, flúor, cloro, bromo e iodo. 

                     O Parafuso Telúrico de Chancourtois


Em 1862, o geólogo francês A. E. Beguyer de Chancourtois tentou uma classificação dos elementos mais elaborada, baseada no peso atômico do oxigênio, já estabelecido na época como 16. Para tanto, tomou um cilindro, dividindo-o em 16 segmentos iguais. Traçou uma hélice na superfície do cilindro, de modo que formasse um ângulo de 45° com o seu eixo. Sobre ela dispôs os elementos em ordem crescente de pesos atômicos, que foram tomados como ordenadas sobre várias geratrizes. A hélice atravessava as geratrizes a distâncias cujos valores eram múltiplos de 16 e, os elementos onde os pesos atômicos diferiam em 16 unidades, caíam na mesma geratriz. O grupo de elementos de cada geratriz possuía propriedades químicas semelhantes.

O trabalho de Chancourtois permaneceu ignorado, pelas arbitrariedades e a não inclusão de diversos elementos e acabou sendo superado pelos que se seguiram.

                           A Lei das Oitavas de Newlands

Nova tentativa foi proposta em 1864 pelo inglês Jonh Alexander Reina Newlands.

Newlands ordenou os elementos em colunas e em ordem crescente de pesos atômicos. Formada a primeira coluna com sete elementos, o oitavo apresentava propriedades físicas e químicas semelhantes ao primeiro. Por isso, começava-se uma nova coluna. Como a cada oito elementos repetiam-se as semelhanças físicas e químicas, Newlands iniciava colunas a cada oito elementos. 

                
Como tivesse educação musical, Newlands chamou à regularidade observada de lei das oitavas, estabelecendo analogia com o que ocorre na escala musical. Sua classificação chegou a ser ridicularizada mas, mais tarde reconheceram-lhes indiscutíveis méritos. Sua classificação não difere muito das modernas.

Classificação de Mendeleev e a de Lothar Meyer

A base das modernas classificações periódicas surgiu em 1869, com dois trabalhos independentes, mas bastante semelhantes, desenvolvidos pelo russo Dimitri Ivanovich Mendeleev e pelo alemão Lothar Meyer.

Ambos dispuseram os elementos em colunas (verticais), em ordem crescente de pesos atômicos, de modo que os elementos situados em uma mesma horizontal apresentassem propriedades semelhantes. Quando necessário, deixaram espaços vazios, de tal forma que as linhas só contivessem elementos de propriedades químicas semelhantes.

Embora o critério de construção das duas tabelas fosse o mesmo (ordem crescente dos pesos atômicos), Meyer baseou-se principalmente nas propriedades físicas dos elementos, e Mendeleev, nas propriedades químicas.

Em que pese o mérito de Lothar Meyer, o trabalho desenvolvido por Mendeleev acabou impressionando muito mais não só pela divulgação anterior, mas principalmente pela segurança e coragem do genial cientista russo. Além disso, Mendeleev consegui prever o surgimento de novos elementos.

                               Lothar meyer e as Curvas


Relacionou o volume atômico com o número atômico dos elementos.
Em 1864 Lothar Meyer, químico alemão, estudou a relação existente entre o volume atômico dos elementos e as respectivas massas. Ele representou graficamente o volume atômico em função da massa atômica relativa.
Se repararmos, o lítio, sódio e potássio correspondem aos pontos mais altos da curva, assim como o rubídio e o césio, todos eles pertencem à mesma família. Foi fácil "construir" esta família, mas para formar outros grupos foi um pouco mais complicado uma vez que era mais difícil relacionar a sua posição relativa.
Da curva de Lothar Meyer foi possível chegar a uma classificação periódica dos elementos que tinham propriedades semelhantes.
A curva demonstra que existe uma relação entre o volume atômico e a massa atômica relativa.

Dimitri Ivanovitch Mendeleev, um químico russo que trabalhava em conjunto com Lothar Meyer publicou em 1869 o seu trabalho. Mendeleev começou por estudar com especial cuidado os elementos constituintes de substâncias que se nos deparam no nosso dia-a-dia, como a água, os compostos orgânicos e o sal (cloreto de sódio).
Continuou o seu trabalho convencido de que todas as substâncias puras existentes, elementares ou compostas, eram formadas de diferentes modos, a partir das diversas classes de átomos — os elementos químicos — resultando daí propriedades específicas para essas substâncias.
Pela análise cuidadosa, descobriu as propriedades de alguns elementos mais comuns na Natureza (hidrogênio, carbono, azoto, oxigênio, cloro, etc.), e anotou-as em cartões, um para cada elemento. Procurou, depois, dispor esses cartões de várias maneiras, de modo a encontrar a melhor forma de classificá-los.
E, aí, fez-se luz no seu espírito!
Os elementos ordenados segundo o valor do seu peso atômico apresentavam uma periodicidade nas suas propriedades! Eles deveriam, pois, ser arrumados de modo a que esta periodicidade fosse visível. Mendeleev tinha feito o mesmo que Newlands, mas com duas grandes diferenças:
• Mendeleev assumiu que a posição relativa de alguns elementos deveria ser alterada. Assim, por exemplo, o telúrio deveria ser colocado antes do iodo, embora a sua massa atômica relativa seja 127,60 e a do iodo seja 126,90. Assinalou também as inversões de outros pares de elementos como o árgon e o potássio, cobalto e níquel e tório e protactínio.
• Quando Mendeleev elaborou o seu quadro periódico alguns elementos ainda estavam por descobrir, pelo que deixou alguns espaços em branco.
A genialidade e ousadia de Mendeleev tornaram-se evidentes por ter previsto a existência de elementos então desconhecidos baseando-se na sua classificação.
Mendeleev deixou alguns espaços vazios na sua tabela para elementos como o ekaboro, o eka-alumínio e o eka-silício, que foram descobertos posteriormente e que se conhecem, atualmente, com os nomes de escândio, gálio e germânio, respectivamente.
Exemplo: No caso do germânio, Mendeleev previu uma massa atômica de 72 quando experimentalmente se verificou que é de 72,6 e uma densidade de 5,5 quando experimentalmente é de 5,47. Na tabela que construiu, Mendeleev associou os elementos de tal modo que:
• Os que constituem um grupo eram dotados de comportamento químico semelhante;
• Havia um diferencial gradual nas propriedades reveladas pelos elementos dos vários grupos, sendo o sódio e o cloro os que mais se afastavam entre si pelos valores que apresentavam para essas propriedades;
• Percorrendo a sua tabela, de elemento para elemento, por ordem crescente de massas atômicas, iam-se encontrando periodicamente os elementos de um mesmo grupo.
Daí a designação de Tabela Periódica dos Elementos.
O sistema periódico de Mendeleev obteve um grande êxito e é uma ferramenta imprescindível para os químicos atuais. Não obstante, esta classificação periódica não está isenta de defeitos. Assim, por exemplo, existem discrepâncias ao ordenar os elementos atendendo às suas massas atômicas. Também não é fácil encontrar uma única ligação para o hidrogênio dado que as suas propriedades são muito peculiares. Existe ainda uma separação nítida entre metais e não-metais, especialmente nos grupos centrais do sistema periódico.

Depois de tudo isto, em 1913, o cientista britânico Henry Moseley descobriu o número atômico.
          
        John Newlands e as oitavas



Propôs em 1863 a Lei das oitavas na qual os elementos se agrupavam em oito tal como acontece na escala musical.

Antes de se propor uma nova classificação, era necessário descobrir as massas atômicas relativas dos vários elementos que eram conhecidos.

Em 1864, Newlands ordenou os elementos então conhecidos por ordem crescente de massas atômicas relativas. Newlands verificou que se considerasse J. A. R. Newlands, uma classificação baseada na massa atômica relativa, um dado elemento (por exemplo, o lítio) apresentava propriedades semelhantes ao oitavo elemento a contar a partir dele (isto é, o sódio). A esta relação Newlands chamou a Lei das Oitavas, que dizia ser uma espécie de repetição tal como ocorre com as oitavas da escala musical.

Apesar de ter sido ridicularizado pela Sociedade de Química de Londres, Newlands sugere, com a Lei das Oitavas, uma classificação sistemática onde surge pela primeira vez o princípio envolvido na atual classificação dos elementos.

Mas Newlands viu que a sua lei apenas funcionava corretamente para as duas primeiras oitavas, na terceira e nas seguintes não se verificava. Foram encontrados então dois grandes erros:
• em algumas colunas onde se encontram elementos com propriedades semelhantes, há elementos que não deveriam pertencer a essa coluna — por exemplo, os metais cobalto e níquel que se encontram entre o cloro e o bromo. Esta foi uma das razões para que a classificação de Newlands não fosse aceite.
Mas existe ainda mais um erro:
• O telúrio (Te) foi colocado antes do iodo, mas a sua massa atômica relativa é maior.
  




           A Classificação de Mendeleyev

O próprio Mendeleev revisou seu sistema periódico, republicando-o dois anos depois, em 1871, em oito colunas, de maneira que a semelhança de propriedades químicas ocorresse, agora, na vertical.
              

Quando lhe apontaram espaços vazios em sua tabela, Mendeleev estava tão confiante em seu trabalho que não teve dúvidas em admitir que esses espaços seriam ocupados por elementos a serem descobertos. Além disso, previu as propriedades físicas e químicas de três elementos, que sucederiam o boro, o alumínio e o silício. Para designá-los, Mendeleev adotou o prefixo sânscrito eka, que significa primeiro, chamando-os, respectivamente eka-boro, eka-alumínio e eka-silício.

Os químicos não pareciam ainda muito convencidos do trabalho de Mendeleev, quando, em 1874, Lecoq de Boisbaudran descobriu um novo elemento, ao qual deu o nome de gálio. Foi o próprio Mendeleev quem provou que esse elemento era o eka-alumínio, possuindo propriedades físicas e químicas muito parecidas com as previstas por ele. Foi a consagração de Mendeleev. Em 1879, Lars Fredrik Nilson descobriu o escândio, que Peter Theodore Cleve demonstrou ser o eka-boro. Anos depois, em 1885, Clemens Alexander Winkler descobriu o germânio, que ele próprio, depois de algum tempo, identificou como o eka-silício.

Outra objeção ao trabalho de Mendeleev referia-se a alterações arbitrárias no critério relativo à ordem crescente de pesos atômicos. Em alguns casos, Mendeleev alterava o critério arbitrariamente, para que os elementos com propriedades semelhantes caíssem na mesma linha (primeira versão) ou na mesma coluna (segunda versão). Foi o que aconteceu, por exemplo, com o telúrio (Te) e o iodo (I). Apesar de ter peso atômico menor, o iodo vinha após o telúrio. O mesmo ocorria em outros casos. Mendeleev justificava essas repentinas mudanças afirmando que os pesos atômicos dos elementos correspondentes a essas inversões estavam errados e que seria preciso corrigi-los. Foi o que aconteceu, os pesos foram revistas e constataram-se vários erros. Apesar disso, algumas inversões continuavam, como no caso do iodo e do telúrio, pois não se conseguia provar que os pesos atômicos fossem diferentes dos já determinados. A essa altura, porém, muito poucos tinham coragem e condição de colocar em dúvida o trabalho de Mendeleev.

Resumindo as conclusões de Mendeleev, podemos dizer que ele estabeleceu a seguinte lei:

Muitas propriedades físicas e químicas dos elementos variam periodicamente na seqüência de suas massas atômicas (Lei da Periodicidade de Mendeleev)

Referências Bibliográficas e Fotográficas:
Fontes:
·        Internet
·         Google
·        Wikipédia a partir dos assuntos e nomes dos cientistas pesquisados

            Referência Bibliográfica sobre
          a disciplina de Química Inorgânica:

Fontes:
·        Apostila da disciplina de Quimica do Instituto Aeronáutico Brasileiro
·        Livros de Química de ensino do nível médio:
- Maurício C. Coimbra
- Antonio Lembo e Geraldo de Carvalho
- Sardela
            - Bianchi, Albrecht, Daltamir
            - Olimpio Salgado, Eduardo Roberto e Ruth Hashimoto

Outras fontes:
Conhecimentos próprios.

   Uma última palavra ao aluno:

“O alcance do Conhecimento Total e Universal só está disponível aos deuses, Avatares e ao Supremo Criador, que nos proporciona apenas um vislumbre, abrindo uma fresta do Édem, nos encorajando a alcançá-lo e a elevar nossas virtudes e capacidades a fim de nos tornarmos Unos, Completos e Eternos.”

                           Professor Léo Marcos Ortiz Credidio

BONS ESTUDOS!!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário